terça-feira, 5 de abril de 2011

Pensamentos de Um Suicida


Eu queria que todos soubessem que antes de partir fui uma pessoa feliz sim. Amei intensamente. Fiz alguém feliz até quando pude. Jamais direi que fui incapaz de tal ato. Ao meu amor, um eterno obrigado aos momentos que tivemos juntos. Mas passou, hoje nem somos mais amigos. A minha família, obrigado pela minha vida (em especial a minha mãe), graças a vocês sempre tive caráter. Aos amigos, obrigado pelo carinho e companheirismo.
E como sempre fui de poucas palavras, só queria dizer que estou partindo por que pra a mim não cabe mais este mundo. Sei que não deixarei saudades, não fui um ser tão notável assim. Mas por educação, quero deixar algo escrito, quem sabe um dia alguém encontre isso... quero partir de uma maneira rápida, sem tanto sofrimento. Pensei por várias vezes me jogar do viaduto, esperar o momento exato em que o caminhão passasse por baixo daquele lugar, e logo em seguida por cima de mim. Fico imaginando se sentiria muita dor, acho que sim. Penso também em como ficaria o meu corpo, no momento exato que aqueles grandes pneus fossem passando sobre mim, me esmagando, fazendo com que as minhas vísceras saltassem pra fora, e meu intestino pulasse como a língua de um lagarto que sai de sua boca numa velocidade tremenda e a revele o quão grande ela é, só que no meu caso seria diferente, a tripa ficaria jogada no asfalto. Meu sangue mancharia de vermelho o chão preto. Meus ossos seriam apenas farelo, não resistiriam ao peso daquela enorme máquina que passaria por cima de mim e sairia me rasgando asfalto a fora. Nada de mim ficaria intacto. Meus olhos sairiam para fora. A mulher com as mãos na cabeça seria minha última visão, depois tudo ficaria escuro. Minha cabeça então acabara de ser esmagada por aquelas rodas de borracha. Meu cérebro ficaria grudado entre as fendas existentes nos pneus juntamente com fios de cabelo. Não falarei de minhas pernas porque elas não existem mais. Foram sendo arrastadas sobre o asfalto e o que restou delas foi apenas a marca no tapete negro. Depois as pessoas começariam a perceber o mau cheiro que ia subir das fezes que estavam em mim, devido a comida que tinha ingerido a noite passada, e também do sangue que se misturava a ela. Engraçado como as pessoas dizem que somos lindos por dentro, não concordo com isso. Somos feios e podres. Depois chegaria os populares querendo ver à atração. Em seguida viria o ITEP recolher os pedaços. Talvez utilizassem até uma pá pra recolher minhas vísceras, não sei. Depois tudo se dispersaria e seria tudo esquecido. Quem sabe daqui a uns tempos o asfalto estaria pronto pra mais um suicida?

2 comentários:

  1. Não vou dizer aqui que a vida é o bem mais precioso, ou que o suicídio não leva a nada, porque eu mesmo já quis fazer uso dele para desaparecer aos olhos de todos.
    O mais macabro disso tudo é que inevitavelmente existiremos ao suicídio.
    Permaneceremos vivos numa outra realidade, com o mesmo sofrimento e a ainda a culpa e o remorso a nos corroer.
    O bom para quem busca o suicídio seria sumir completamente, deixar de existir.
    E respeitando cada crença, mas analisando do ponto de vista da minha, sempre existiremos!

    Gostei do texto!!
    Mas espero que não esteja pensando em se jogar do viaduto, hein? rsrs = ]

    ResponderExcluir
  2. arrepiei!
    você é impecável nos detalhes!
    :D

    ResponderExcluir